Tradutor

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Da Blogueira Cidadã para o Blogueiro Solidário



Suspendo por algumas horas a postagem normal do blog para compartilhar com vocês um triste acontecimento e homenagear um grande amigo.


Nos últimos dias, a blogueira entrou numa atmosfera de vazio e entristecimento ao saber de sua partida.


Ele me chamava "Minha Blogueira Cidadã". E não está mais entre nós.


Partiu o blogueiro e guerreiro, também indignado com as injustiças do mundo, Gilberto Azevedo, o meu amigo-irmão nordestino, Giba, do blog Pernambucano Falando Para e Com o Mundo.


                                                                                        Giba e seu filho, em abril de 2011


Aos que não sabem ou não lembram, ele foi o amigo mais aguerrido quando por vários meses deste ano passei a sofrer todo o tipo de violências e ameaças de agressão e morte, dentro de minha casa, covardemente desferidas por bandidagem a mando de familiares criminosos da blogueira.


Ao perceber minha situação crítica, Giba não pensou duas vezes: ampliou sua participação no blog, fazendo comentários diários, me monitorou o tempo todo, dentro e fora de minha casa, quando minha situação era de risco, várias vezes se dispôs a sair do Recife e vir até São Paulo, se engajar na luta pessoal da blogueira contra esta família-quadrilha e cúmplices.


Oh, meu amigo, meu irmão, você me deixou agora sem palavras. O coração dói, as lágrimas correm... não há como agradecer tanta dedicação, tanto companheirismo, tamanha solidariedade.


A blogueira cidadã está desolada, consternada.


A blogosfera perdeu um blogueiro verdadeiramente progressista e guerreiro. Socialista, indignado diante das injustiças, combativo na defesa dos mais frágeis. A blogueira perdeu mais que um amigo e companheiro de luta, a blogueira perdeu um irmão.


A blogueira cidadã está triste, muito triste. 


Obrigada, meu querido, pela ação destemida, pela afeição sem limites, pelo abraço solidário, pelas mãos estendidas. A você, meu amigo, meu irmão, meu companheiro de utopia, gratidão infinita e eterna.


Pra você, mais uma vez, a extraordinária canção que fala de luta, dos nossos irmãos verdadeiros, de solidariedade, companheirismo e liberdade.


Link do vídeo

Los Hermanos                                Os Irmãos

Yo tengo tantos hermanos     Eu tenho tantos irmãos

Que no los puedo contar     Que não os posso contar
En el valle, en la montaña,     No vale, nas montanhas
En la pampa y en el mar     Na planície e no mar
Cada cual con sus trabajos     Cada um com seus trabalhos

Con sus sueños cada cual     Cada um com seus sonhos
Con la esperanza delante,     Com a esperança em frente
Con los recuerdos detras     Com as lembranças atrás
Yo tengo tantos hermanos     Eu tenho tantos irmãos
Que no los puedo contar.     Que não os posso contar.

Gente de mano caliente     Gente de mão quente

Por eso, de la amistad     Por isso, da amizade
Con un lloro pa' llorarlo     Com um choro pra chorar
Con un rezo pa' rezar     Com uma oração pra orar

Con un horizonte abierto     Com um horizonte aberto
Que siempre esta mas alla     Que está sempre mais longe
Y esa fuerza pa' buscarlo     E essa força pra buscá-lo

Con tezon y voluntad         Com tesão e vontade
Cuando parece mas cerca     Quando parece mais perto

Es cuando se aleja mas     É quando se distancia mais
Yo tengo tantos hermanos     Eu tenho tantos irmãos
Que no los puedo contar.     Que não os posso contar.

Y asi seguimos andando     E assim seguimos andando
Curtidos de soledad          Curtidos de solidão
Nos perdemos por el mundo     Nos perdemos pelo mundo
Nos volvemos a encontrar.     Nos encontramos novamente.

Y asi nos reconocemos     E assim nos reconhecemos
Por el lejano mirar         Pelo olhar distante
Por las coplas que mordemos     Pelos versos que "mordemos

"Semillas de inmensidad.     Sementes de imensidão.

Y asi seguimos andando     E assim seguimos andando
Curtidos de soledad         Curtidos de solidão

Y en nosotros nuestros muertos     E em nós os nossos mortos
Pa' que nadie quede atras     Pra que ninguém fique para trás

Yo tengo tantos hermanos     Eu tenho tantos irmãos
Que no los puedo contar     Que não os posso contar

Y una hermana muy hermosa     E uma irmã muito formosa
Que se llama LIBERTAD.     Que se chama LIBERDADE.

Música: Atahualpa Yupanqui
Interpretação: Mercedes Sosa

*

4 comentários:

  1. Obrigada, Antonio Carlos. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, querida. Foi realmente uma grande perda para a blogueira e a blogosfera. Um abraço.

    ResponderExcluir