Tradutor

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Assassinato da juíza foi "facilitado"



A quem interessava o assassinato da destemida e combativa juíza Patrícia Acioli, executada com 21 tiros na porta de sua casa, em Niterói, Rio de Janeiro, há um mês?


Quem são os beneficiários deste crime brutal contra Patrícia e contra o Estado Democrático de Direito?


Por que uma juíza corajosa, que condenava marginais perigosíssimos, inclusive policiais militares, transitava sem carro blindado, sem escolta, sem qualquer proteção? 


Ontem, domingo, 11, foi decretada a prisão temporária de três policiais militares do 7o. BPM de São Gonçalo, Rio de Janeiro, suspeitos de serem os assassinos de Patrícia: o tenente Daniel dos Santos Benitez Lopes e os cabos Sérgio Costa Júnior e Jefferson de Araújo Miranda, que já estavam presos na Unidade Prisional da Polícia Militar pelo assassinato de um adolescente, prisão decretada por Patrícia horas antes de sua morte


O crime do adolescente tinha sido registrado na 72ª DP (São Gonçalo) como auto de resistência (morte em confronto com a polícia). No entanto, segundo testemunhas, tratou-se de um assassinato.


No dia da execução de Patrícia, a advogada dos PMs os avisou que sua prisão seria decretada. E eles imaginaram que a morte da juíza os livraria. Agora investiga-se também se a advogada dos PMs teve alguma participação no crime. 


Abaixo uma entrevista da mãe da juíza ao jornal O Dia, versão online, falando das "facilidades" que foram concedidas aos assassinos de sua filha.


"Facilitaram tudo para os assassinos da Patrícia", diz mãe de magistrada assassinada


Reprodução do jornal O Dia online



Rio - Aos 75 anos, Marly Lourival Acioli, mãe da juíza Patrícia Acioli, executada com 21 tiros há um mês em Niterói, diz que a única coisa que espera agora da vida é não morrer antes de ver a prisão dos matadores da juíza. Mesmo com um problema de saúde agravado pela perda repentina da filha, Marly quebrou o silêncio e falou sobre o caso pela primeira vez. Ela criticou a falta de escolta à magistrada e, assim como as mães que pediam justiça à Patrícia por seus filhos, ela clamou: “Não se esqueçam dela”.

ODIA: Patrícia era muito ligada à família. Hoje faz um mês que ela foi morta. Como está sendo lidar com essa ausência? 

MARLY: Minha vida acabou. Está sendo desesperador. É um fundo que eu não consigo achar. Já estou com 75 anos e não tenho mais nada a esperar da vida. Só espero não morrer antes de ver a prisão desses bandidos safados que fizeram essa atrocidade.


O que faz mais a senhora lembrar da sua filha?

Ela vinha aqui (casa da mãe) toda a sexta-feira. Chegava com aquele sorriso lindo, brincando. Fiquei sem ver a alegria e o amor que me confortavam.

Patrícia falava sobre o trabalho e as ameaças?
 

Fazia apenas comentários. Falava da gratidão por ela de mães que tiveram filhos mortos. Era visível o orgulho quando aplicava a pena que réus mereciam. Ela temia pelas ameaças, mas dizia que não interfeririam no trabalho.
 

A senhora pediu a ela para deixar a 4ª Vara Criminal?
 

Perdi a conta. Fiz até promessa, mas ela falava que as pessoas precisavam dela e essa era sua razão de viver.
 

Como a senhora recebeu a notícia da morte?
 

Quem me falou foi meu médico, que primeiro me deu calmantes. Eu berrava e dizia que era mentira, que não era justo me torturarem assim. Quando passou a fase da negação, mergulhei no vazio.
 

O que a senhora acha do Tribunal de Justiça retirar escolta de Patrícia?
 

Foi covardia. Facilitaram tudo para os assassinos da Patrícia. Queriam forçá-la a sair de lá, intimidá-la ou sei lá o que tem mais nessa história podre. Não conheciam nem sua coragem nem sua obstinação.
 

Como está a investigação?
 

Todo dia eu pergunto se já acharam os matadores da minha filha. Só escuto o silêncio.
 

Os pais não estão, claro, preparados para perder um filho. Apesar disso, para a senhora, a morte de Patrícia deixa alguma lição?
 

Acho que sim. Juízes ameaçados estão de carro blindado, reforçaram a segurança de fóruns. E agora deu para aparecer escolta que não tinha.
 

A senhora acha que será feita Justiça no caso?
 

Acho que não. A gente vê tanta podridão que perde a esperança. Vão ter que prender alguém porque o caso teve repercussão. Mas será que a verdade vai aparecer?
 

Muitas mães procuraram Patrícia para pedir que os culpados pela morte de seus filhos fossem punidos. Agora, na mesma condição, qual o pedido que a senhora faz à Justiça?
 

Que não se esqueça dela. Que julgue com o mesmo rigor que ela julgava. Que faça todos os participantes desse crime pagarem.

Blog do Ricardo Gama


Portal iG

*

6 comentários:

  1. maria lucia -mluciaogliaruso@gmail.com20 de setembro de 2011 22:18

    DEVO MUITO A DRA. PATRICIA ACIOLI E MINHA GRATIDÃO SERÁ ETERNA, POR ESTA MULHER TÃO RESPEITADA E ADMIRADA POR MUITOS E COM CERTEZA A JUSTIÇA VAI SER FEITA.

    ResponderExcluir
  2. Sra. Maria Lúcia, pelo que diz, deduzo que a sra. teve a honra e a Graça de conhecer pessoalmente a Grande Mulher da Justiça, doutora Patrícia Lourival Acioli. Infelizmente não posso dizer o mesmo, mas lhe garanto: ela tem também toda a minha gratidão, admiração, respeito. Aliás, acho que todas as pessoas do Bem sentem o mesmo que nós. Infelizmente, a juíza barbaramente assassinada parece ser uma exceção, dentro do Judiciário brasileiro. A morte de Patrícia foi uma perda irreparável para a cidadania brasileira. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. maria lucia -mluciaogliaruso@gmail.com21 de setembro de 2011 14:34

    Realmente conheci a Dra Patricia Acioli e ela era uma pessoa maravilhosa me ajudou muito me escutando quando falei dos assassinos do meu filho e um desses bandido era policial foi quando ela fez o pedido de prisão e no julgamento um deles foi julgado e condenado o outro ainda vai ser julgado e com certeza vai ser condenado, por isso e muito mais tenho gratidão e admiração por essa mulher que foi dra.PATRICIA ACIOLI

    ResponderExcluir
  4. Eu agradeço muito sua participação aqui no blog, seu depoimento, suas importantes declarações, vindas de uma pessoa que teve a sorte e a honra de conhecer a juíza Patrícia, e que foi também orientada e apoiada por ela. Patrícia infelizmente era uma raridade, uma pedra preciosa, que o Estado brasileiro e o Judiciário não souberam proteger, preservar. Se quiser escrever um depoimento sobre seus contatos com a Dra. Patrícia, detalhando alguns fatos, terei grande prazer em publicar como post. Muito grata à senhora. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Cabo diz que se arrependeu minutos depois de atirar em juíza vcs acreditam nisso? onde psicopata tem arrependimento?...

    ResponderExcluir
  6. no Brasil deveria existir cadeira eletrica para matar esses bandidos que ceifaram a vida da juiza Patricia Acioli, uma mulher digna e honrada que nem ela nunca mais vai existir.

    ResponderExcluir